12 de mai de 2015

A menina Do Vilarejo


Imagem Do Google

Em um pequeno vilarejo vivia uma linda jovem.( Lucy)era seu nome.
Ela morava com seus pais e um irmão mais novo, que teria nascido logo após seus pais mudarem pra lá.
Lucy amava a natureza, se encantava sempre com a revoada de pombos que faziam festa todas as manhãs no seu jardim, era como se contemplassem a beleza daquela linda moça!

Seus pais viviam da agricultura e da pesca, assim como todos os outros moradores do vilarejo.
Sabe-se que antes deles mudarem para lá, já havia rumores que aquele povoado teria sido amaldiçoado por uma antiga moradora.

Dizem que ela teve sua filha morta misteriosamente, e que seu corpo teria sido encontrado na beira do rio depois de dias de buscas.
Nunca ninguém conseguiu saber quem teria feito aquilo com aquela pobre moça!
E, por isso sua família teria ido embora, e sua mãe assim jogado uma praga!
Acreditando ou não, coisas estranhas aconteciam por lá.

Perto dali havia uma escola de alfabetização, a única do povoado!
Que teria sido construída apenas com recursos e a boa vontade do professor Bento.
O professor bento era um senhor alto e loiro.Muito querido por todos.
Se não fosse a coragem dele de abandonar a cidade grande e se mudar para aquele pequeno povoado...

O que seria daqueles jovens sem terem ao menos o direito de se alfabetizarem?
Não se sabia quase nada do professor Bento.
Sabia-se apenas que ele teria sido o pioneiro ali naquele pequeno vilarejo.
Não tinha esposa e nem filhos, morava sozinho, e, todos sentiam dó dele.
.
Mas, ao ser questionado o porquê que ele teria escolhido aquela vida de solidão...
Ele se fechava no seu mundo. 
Era nítido que o professor Bento não gostava de falar do seu passado.
Assim sendo... Todos que o questionava...Ficava sem respostas!

Numa manhã de setembro o sol forte, Lucy vai ao riacho que passa perto da sua casa se banhar como de costume.
O calor está insuportável!
Ela se despede de sua mãe com um beijo carinhoso, e fala que logo retornará.

Ao chegar ao riacho, Lucy tira suas pequenas peças de roupa uma por uma. 
Finalmente aquela linda moça fica como veio ao mundo.
Lucy se banha como se voltasse a ser criança, joga aquela água limpa e cristalina sobre sua cabeça.
Mas, logo Lucy se assusta com um barulho diferente vindo das folhas secas.

Alguém a observa...Mas quem? 
Afinal ela ia todos os dias aquele riacho, será que em outros dias também alguém já a observava?
Ela já tremula de medo corre para pegar suas vestes que estavam jogadas na beira do riacho.

Mas,Lucy não teve tempo de pegar suas pequenas vestes, alguém de mãos fortes lhe toma pelo braço, e, com suas próprias veste ele tampa os seus olhos e a sua boca.
Pobre Lucy! Ela se debate, sabe apenas que não terá chances.
Ela percebe que não conseguirá sair daquela.

E Lucy assim como a outra moça... Não conseguiu!

Uma triste busca se inicia naquele pequeno vilarejo!
Após cinco angustiantes dias, o corpo da linda moça é encontrado sobre uma rocha.
O desespero dos seus pais é muito grande!

Amigos vêem lhes prestar solidariedade, menos o professor Bento que manda dizer que sente muito!
E que está muito triste pelo acontecido, mas, encontra-se enfermo e sem forças para visitar a família da Lucy!
Até hoje sua mãe chora a dor da perda de sua filha!
Mas continuou morando no vilarejo.

Todos os dias ela vai aquele riacho em busca de respostas.
Quem teria feito àquela maldade com a sua filha?
O professor?

Um mês depois da morte da Lucy ele foi encontrado morto na sua casa.
O medico atestou pneumonia, causada pela baixa imunidade.
O professor teria ficado doente logo após a morte da Lucy.

O professor já não se alimentava mais!
E o corpo não suportou a fraqueza da alma!
Todos questionavam a morte do professor!

Teria ele morrido de amor!

Ou de remorsos?.



9 comentários:

  1. Lindo e instigante final e conto! Gostei! Bom te ver! bjs, tudo de bom,chica

    ResponderExcluir
  2. Oi Mary!
    Que linda e intrigante história...Se foi o professor, talvez tenha morrido de remorso!
    Amei o seu retorno!
    Beijos e um ótimo dia!
    Mariangela

    ResponderExcluir
  3. Oi Mary
    Que estória hein romancista.
    Uma história quase que nítida que foi o malvado professor, pois tem anjo que vira capeta sem que ninguém saiba.
    Triste, mas belo conto.
    Agora vou colocá-la na minha lista de blog, vê se escreve sempre.kkkk tá?
    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Adorei o seu conto.
    Afinal tem muito talento como se pode ver.
    Há sempre coisas a aperfeiçoar mas isso vem com o tempo. Continue.
    Beijinho

    ResponderExcluir
  5. Oi Mary,
    Passando para agradecer o carinho e respondi pra você no blog.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  6. Oi querida,
    Tirei meus comentários mas sempre estarei por aqui.
    Beijos no coração

    ResponderExcluir
  7. Cara Mary, io credo che l'insegnate sia morto per amore; un amore forte e inespresso. Questa bella e triste storia richiama quella del grande scrittore e poeta W.Goethe, nel romanzo,'Le affinità elettive'. Sono contento di averti ritrovato. Tornerò presto. Un forte abbraccio e un bacio😀💋

    ResponderExcluir
  8. Oi Mari,tudo bem? Sou uma colaboradora da Lindalva,do Ostra da Poesia,da Ilha,enfim vim dizer a vc que da 9° pena de ouro vc perdeu a inscrição e ficou fora,mais da próxima,que esta bem perto,pode deixar virei aqui te lembrar para vc participar.
    Vc não poderá ficar fora dessa.
    Bjsss

    ResponderExcluir


“O Poeta é um fingidor, finge tão completamente
que chega a fingir que é dor a dor que deveras sente.”

( Fernando Pessoa)


Arquivo do blog

jf.maps

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...